TDSE – TEXTO DE DISCUSSÃO DO SETOR ELÉTRICO

TDSE 88Sinergias na integração de ativos da ENEVA e AES Tietê

Autores: Nivalde Castro, Roberto Brandão, André Alves e Ana Carolina Chaves.

Resumo: O trabalho aborda a proposta de combinação de ativos entre as empresas ENEVA e AES com ênfase nos possíveis impactos deste processo para o setor elétrico brasileiro como um todo. Neste sentido, é feita uma abordagem acerca do perfil de atuação das empresas envolvidas destacando a relação de complementaridade entre seus ativos e considerando o contexto de transição na matriz elétrica brasileira que é marcado pelo aumento da participação das fontes renováveis alternativas e das usinas termelétricas a gás natural. Os desdobramentos de uma eventual combinação dos ativos entre as duas empresas são analisados sob a ótica da política energética, do planejamento do setor, da operação do sistema e ainda de aspectos ambientais.

Publicado em: Março de 2020.


TDSE 61Desequilíbrio econômico e financeiro das usinas termoelétricas frente à persistência da crise hidrológica: 2012-2014

Autores: Nivalde Castro, Nelson Hubner e Roberto Brandão.

Resumo: O objetivo e analisar a grave crise hidrológica que atingiu o SEB  de outubro de 2012 até 2014 (data final da análise e não da crise). As UTE foram acionadas de forma intensa e contínua  até novembro de 2014 . O estudo examina  que em função da frequência dos despachos não estarem previstos nas estimativas, as UTE   enfrentaram uma situação de desequilíbrio econômico e financeiro cujos impactos são sistematizados e apresentados no estudo.

Publicado em: Maio de 2014.


TDSE 59Despacho de Usinas Térmicas por Critérios Técnicos para Teste

Autores: Nivalde J. de Castro, Roberto Brandão, Guilherme Dantas, Paola Dorado e Maria Alice Magalhães.

Resumo: O estudo examina a conveniência e relevância de se incorporar autorizações específicas para despacho de geração térmica para testes na regulação do setor elétrico brasileiro. Para isso, em primeiro lugar, o texto apresenta evidência empírica do desempenho operacional das usinas termoelétricas no Brasil logo após do acionamento pleno em outubro de 2012. Mostra-se que o grupo de usinas selecionado (com capacidade instalada maior a 2.000 MW) teve uma média de geração 19,2% abaixo da geração programada para o período de outubro 2012 a janeiro 2013, por razões internas às usinas. 

Publicado em: Maio de 2013.


TDSE 22Contratação e Atraso de centrais termoelétricas nos leilões de energia nova

Autores: Nivalde José de Castro, Roberto Brandão e Pedro Ávila.

Resumo: O objetivo central desse estudo é avaliar o andamento dos novos projetos de termoelétricas e analisar seus possíveis impactos sobre o Setor Elétrico Brasileiro (SEB). O texto encontra-se dividido em três partes. Na primeira, procura-se identificar e quantificar os atrasos das centrais termoelétricas contratadas nos Leilões de Energia Nova (LEN). Na segunda, foca-se na análise das principais causas que originaram os atrasos. Na terceira, busca-se sinalizar quais são os principais impactos dos atrasos sobre o SEB. Por fim, conclui-se que a simples realização dos LENs não representa uma garantia efetiva da expansão da capacidade instalada e são apresentados elementos que, a partir dos problemas verificados, podem ser aproveitados para aperfeiçoar a forma de contratação de novas centrais térmicas.

Publicado em: Julho de 2010.


TDSE 19Considerações sobre as perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira

Autores: Nivalde José de Castro, André Luis da Silva Leite, Raul R. Timponi, Roberto Brandão e Guilherme de A. Dantas.

Resumo: A impossibilidade de construção de novos reservatórios torna necessária a inserção de fontes de energia elétrica que complementem a geração hidroelétrica. O texto discute as melhores alternativas para a expansão da matriz brasileira a partir da análise de cada uma das fontes.

Publicado em: Maio de 2010.


TDSE 15Considerações Sobre a Ampliação da Geração Complementar ao Parque Hídrico Brasileiro

Autores: Nivalde José de Castro, Roberto Brandão e Guilherme de A. Dantas.

Resumo: As limitações físicas e ambientais da expansão da matriz elétrica brasileira com base em hidroelétricas com grandes reservatórios tornam necessária a inserção na matriz brasileira de fontes de energia com vocação para operarem na base no período seco do ano. Esta evolução demonstrada pelo estudo do GESEL indica a necessidade da contratação de fontes complementares à geração hidroelétrica. Os analisam “as alternativas que o Brasil possui de realizar esta complementação de forma eficaz e a necessidade de uma visão integrada do setor de energia.” O movimento recente, verificado com as contratações de UTE nos leiloes de A-3 e A-5 realizados em 2006-2008, não são compatíveis com esta evolução e trazem um risco financeiro não equacionado e que é derivado da forma de contratação por disponibilidade vinculada ao elevado custo variável.

Publicado em: Janeiro de 2010.


TDSE 12O Gás natural no Setor Elétrico Brasileiro: a superação de entraves contratuais

Autores: Nivalde José de Castro e Raul Timponi.

Resumo: Apesar do importante esforço da Petrobras em flexibilizar o mercado de fornecimento para distribuidoras de gás, no caso do setor elétrico a coordenação entre fornecedor e consumidor de gás (Usinas Termoelétricas) se mostrou falha em compatibilizar os incentivos de ambas as partes, principalmente no que tange aos termos de contratação. Num contexto de crescimento substantivo da oferta de gás nos próximos anos, isso se colocaria como um importante entrave para a incorporação deste insumo energético na matriz de energia elétrica brasileira.

Publicado em: Setembro de 2009.